Pensamentos mornos ao ouvir Berceuse, Schubert

Junho 5, 2011 § Deixe um comentário

Hoje quero mergulhar em meus sonhos. Quero ir para Grécia, beijar cada anjo e viver cada amor. Quero pintar cada flor que desabrochar e sentir seu aroma. Quero dançar com a sombra e morrer impetuosamente de felicidade. Quero engolir cada uma de minhas lágrimas para voltar a derramá-las logo em seguida. Quero sofrer dores alheias e ter compaixão. Quero valsar com um padre as melodias de Schubert e ver nos lábios de Bethoven um sorriso. Quero fazer o possível para ver o impossível nascer. Quero cair e não conseguir levantar e ainda possuir a crença de que alguém poderá vir a levantar-me. Quero matar um Oscar Wilde jovem com o punhal de Otelo, e sentir a descrição por Edgar, rodeada por um vestido de Victoria. Quero respirar despreocupações ao acordar e adormecer ao som da tranquilidade. Quero desejar de verdade, quero saber quem sou eu e por que assim. Não importa o que eu quero, pois não irei encontrá-lo – oh, ele, ele me disse mesmo sendo que já está morto! Tudo isso é a insatisfação humana me obrigando a desejar algo e apontando para minha cara ao dizer que sou infeliz e o contrário é simplesmente impossível.

por Constance, constantemente muitas coisas.

Where Am I?

You are currently browsing entries tagged with Schubert at Old Consciousness.