Hjartað Hamast

Outubro 14, 2013 § Deixe um comentário

O coração golpeia,
Como sempre, mas desta vez
Fora do ritmo com o tempo
Perdido e esquecido em casa
Prestes a explodir pelo nariz
Volto-me ao suor das cobertas
Observo a ferrugem que cresce em mim
Que come lá embaixo da concha
Eu paro em pé, tonto / atordoado
Eu me esfarelo
Ando em círculos
Ando após mim mesmo
Tiro toda minha roupa
E completamente nu
Acordado mas posto para dormir
Eu não durmo nem o mínimo

 

Refrão:
Eu falo alto e viajo por dentro de mim mesmo
Vasculhando procurando por vida por um instante que seja
Fico parado em meu lugar
Com a esperança como amiga e ganho um tempo
Procuro por um começo perfeito
Mas ele se torna um desapontamento

 

O coração pára
Não se mexe
Eu insiro um marcapasso (que engulo e escondo)
Encontro um cabo de ligar (e me ligo)
Vejo tudo dobrado (duplo escuro)
Falha do sistema (o cérebro recusa)
Continuo a procurar (…)
Incontrolável (informação)
Eu tenho que alimentar (me alimentar)

Expectativa Inversa

Outubro 14, 2013 § Deixe um comentário

Eu sei que já agora eu estou fazendo parte do processo inverso de um fluxo constante. Eu sinto que estou voltando para onde saem todas as coisas sem a razão justificável para o desastre. Existe a estabilidade aqui, agora, para tudo o que não pode se manter por fora à consciência. Estou sentindo minhas inflamações explodirem, cada uma delas, uma certeza inominada. Estou possessa da própria carne. Fiz do meu corpo o santuário de uma religião desconhecida. Me enterrei em mim pelos sentidos. E você, mil vezes, veio me  trazer flores. Ainda não sei que parte de mim está morta,

Anoushka Shankar

Outubro 5, 2013 § 1 Comentário

 

 

Para um demônio

Outubro 5, 2013 § Deixe um comentário

Eu estou escorrendo para dentro das orelhas, eu me sinto transbordar, ouço o som de mim mesma derreter e se auto absorver em seguida. É a música que me transporta para onde não posso auferir, tão próximo que é inalcançável. Eu espero que isso me faça lembrar das palavras que eu ainda não disse, eu espero que isso seja um bom sinal, a completa continuidade ao contato. Olhos de demônio ele tem, o que pelo nome o tornou um demônio completo. Me persegue até mesmo quando não há sinal. Eu anseio. Sem expectativas, sua simples existência me desafia a tranquilidade quando tantas coisas mais sufocam! O que pode despistar as almas que me perseguem? Já não é mais tempo para voar. O mundo está ficando pequeno e super-lotado de famintos e loucos, é inacreditável que os olhos ainda se encontrem.

Deveríamos ser criaturas aquáticas. Já percebeu o quanto o corpo pesa em terra? Tudo nos prende. Um dia voltaremos para onde nunca deveríamos ter saído. Voltaremos para as altas montanhas onde residem as lembranças boas de pés que nunca pisaram lá. Falta pouco, o caminho é raso. São tempos difíceis para tudo o que se dê ao luxo de estar vivo. Tirar tempo para respirar e voltar as origens do ser é quase impossível e isso só me faz pensar o quanto eu sinto falta, uma saudade excruciante de alguma coisa sem nome ou forma, ainda. Novas interações, continuidade ao contato revelará seus mistérios. São tantos! Eu penso se poderia viver sem eles. Nunca é o suficiente, Por maior desvantagem de informações que se estabeleça.

A verdade é que estamos no lugar errado. Dentro ou fora. Não é onde deveríamos estar. Não. Sempre em nós. Dentro ou fora. Introspectividade não passa de uma forma melancólica de se dizer egocêntrico. Eu sinto falta das origens que nunca voltarão a ser. Sinto falta da terra e do ar. Dos passos lentos. Da fragilidade inconsequente. Eu vou me entregar assim que tiver uma chance. Sou mole e pequena. Quase imperceptível, essa é a verdade. Fecho os olhos para negar a existência. É um longo caminho para onde não se pode chegar e eu, estou me arrastando.

Espero encontrá-lo lá. Isso é pretensioso? Eu realmente gostaria de encontrá-lo lá.

 

 

Where Am I?

You are currently viewing the archives for Outubro, 2013 at Old Consciousness.