Quem é Constance

Dezembro 20, 2011 § 1 Comentário

-Tantos são aqueles que me atormentam.

-Sei como se sente. Deseja então que todos eles morram, não?

-Não! Não é nada disso!

-Desculpe-me pelas mórbidas palavras.

-Desejo eu morrer.

-Isso é mórbido! Terrivelmente!

-Mas ameno.

-Qual a sua ideia de ameno?

-Não tenho ideia do que essa palavra signifique…

-Esposa de Oscar Wilde, como eu poderia esperar resposta diferente? Aquele homem e seus excessos!

-Oscar nada tinha em excesso se não o meu amor.

-Tudo bem Constance, melhor não entrarmos em detalhes com relação a isso, sempre é um assunto delicadamente extenso.

-Extensamente simples! O amo com todo o meu fervor, o amo com toda a minha alma, oh, sinto tanto sua falta… Não… não sei o que…

-Por favor, pare de chorar agora mesmo. Isso, recomponha-se. Logo ia começar a chorar e suplicar às saudades por Oscar.

-Nada suplico às saudades, suplico apenas à falta. Esta me escuta em excesso.

-Voltemos aos assuntos mórbidos, são menos intensos.

-Desejaria morrer hoje mesmo.

-Viu? Há simplicidade em suas palavras com relação a morte muitíssimo mais que quando refere-se a Oscar.

-Ora! Isso é a coisa mais óbvia já dita por um ser humano conhecedor da consciência viva de uma esposa desolada como eu!

-Constance, volte agora mesmo a dizer os motivos que te levam a esse desejo de morte, por favor.

-As pessoas! Irritam-me!

-Porque não as induz à morte? Tem potencial para tal.

-Não, de forma alguma. De nada adiantaria.

-Suas dores são, então, pessoais.

-Creio que sim ou que não.

-Explique-se.

-Mesmo que eu consiga induzir meia dúzia delas a morte sobraria ainda um mundo inteiro, você sabia? São aproximadamente sete bilhões de pessoas. Morrer eu mesma seria mais prático. Talvez as dores sejam minhas, internas, irremediáveis, incompreensíveis, talvez jamais serei curada, no entanto também existe a possibilidade de serem as pessoas, sim, todas elas, as sete bilhões e seus cerebrozinhos insuportáveis, irremediáveis, incompreensíveis! Prefiro postar-me a sofrer e desejar eternamente a morte até que ela se apresente a mim.

-Devo dizer que esta é uma criatura terrível para tais propósitos. Comparece apenas quando não é convidada e quando aclamada, desaparece!

-Esperá-la-ei enquanto sofro e falo-te sobre Oscar…

-Desejo então que a morte nunca apareça, pois assim espero que ela venha depressa! Nada mais denso e sufocante que ouvi-la falar sobre Oscar Wilde!

Anúncios

Tagged: , , ,

§ One Response to Quem é Constance

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Quem é Constance at Old Consciousness.

meta

%d bloggers like this: