Os atuais favoritos

Junho 30, 2011 § Deixe um comentário

Agora que possuo os três cds, nada mais justo do que um post só para eles, até por que são a minha banda atual favorita… que vergonha, como pude atrasar tanto o post deles? Enfim, aqui estou para falar, prestigiar e argumentar sobre o possível fato de ter visto Kapranos no evento da Cultura Inglesa! Não acredito que eu fosse capaz de me enganar quanto a isso, sendo o Kapranos o meu atual favorito! Tenho tanta certeza que o vi quanto tenho certeza de que meu cabelo é quase ruivo!

Anyway. Um dia Anne me perguntou se existia algum motivo para que eu gostasse tanto de Franz Ferdinand. Pensei, pensei, pensei… e me justifiquei, mas a verdade é que procurar uma justificativa é em partes algo tão perigoso quanto acreditar em símbolos. Acho que esse tipo de coisa é muito singular, muito pessoal.

Na minha opinião, Franz Ferdinand é muito criativo sem ser exageradamente enfeitado. Gosto dos acordes, da voz do Kapranos, do estilo da banda,  do rítimo e principalmente das letras das músicas. E mais, eles diversificam sem perder a identidade, o que é algo extremamente raro.

Enfim, isso é o que Franz Ferdinand é pra mim agora. Não é pra pouco que tenho os três cds e uma camiseta!

Eles são sim, os atuais favoritos…

Anúncios

Hoje,Ontem?

Junho 30, 2011 § Deixe um comentário

Este é um diário sem datas. Já passou da meia noite há três horas mas eu ainda quero falar sobre como foi o meu dia

Hoje, foi um dia excepcionalmente bom (minhas palavras podem fazê-lo parecer ainda melhor do que realmente fora, mas devo levar em conta por mim mesma dois fatores: 1- minha escrita sempre é exuberante; 2- passei a dar valor a coisas simples). Para começar tive um período de 30 minutos com o meu professor favorito logo pela manhã (professor cujo não vou citar o nome, mas tenho quase certeza do conhecimento por meus colegas não apenas de seu nome como também de meu platonismo). Saí da escola após a prova com apenas quatro horas de antecedência, o que é um acontecimento raríssimo e de extrema generosidade do destino. Comprei o meu livro tão ansiado (Goeth, para os interessados ou apenas para que eu me recorde depois), e completei hoje finalmente a minha coleção de três cds do Franz Ferdinand. Passei por diversas bibliotecas e cheguei mais cedo no trabalho. Para que se acentue a agradabilidade do  meu dia preciso dizer que todo esse percurso foi realizado com a presença da Vitoria. Ultrapassei todas as minhas metas no emprego quando ninguém o conseguiu (preciso confessar o quão delicioso é o fato de ser o único a conseguir algo que mais ninguém consegue!). Para finalizar o dia, peguei o ônibus tranquilamente e não passei frio! Ao chegar em casa, tomei um banho com duração de 56min, falei com a Vitoria no telefone, e postei muitíssimo de muitíssimas coisas interessantes! Ainda para que eu possa finalizar essa explosão de otimismo, estou em férias escolares e amanhã poderei dormir sem um despertador impertinente.

por Constance, constantemente satisfeita com seu novo cd do Franz Ferdinand e Seu livro do Goeth.

Cartas Roubadas

Junho 30, 2011 § Deixe um comentário

16, Maio

August, estou respondendo esta carta apenas por que acredito ser algo adequado a uma dama do meu porte fazê-lo, no entanto sei o quanto deve estar a palpitar por estar em mãos com um pedaço de papel cujo minhas mãos cuidadosamente trabalharam, mas peço-lhe que não tarde a se animar pois este é o meu primeiro e último trabalho para com você!

Não consigo acreditar em como consegue rogar-me à boas memórias sendo que prevalece em minha memória todos os maus momentos! Em minha alma, todo o repúdio e em minha pele, as marcas por ti causadas. Não escreverei para ti uma sequer palavra de compaixão ou bem dizer. Não consigo para contigo, reservar um só sentimento se não o ódio e sequer as longas tardes de outono ao seu colo me foram foram valiosas, se não válidas para aumentarem o valor da imoralidade que exerce sobre mim.

Em minhas longas e incansáveis cartas, não só a ti mas a todos para o qual escrevo apenas de ti sei falar em palavras dolorosas e profanas a sua pessoa!

August, se soubesse, se soubesse o quão forte, intenso e vívido és o meu ódio por ti. Se soubesse ao menos o quanto desejo ver o seu rosto para difamá-lo e detestá-lo! Se ao menos soubesse o quanto meu coração bate ao vê-lo, estremece de inquietação, uma inquietação dolorosa e horrenda! Responsável, é claro, pleo meu ódio por ti, e só!

                                                                                                             Desgostosa, Camile. 

O Mau do Século

Junho 30, 2011 § Deixe um comentário

“Onde você esteve esse tempo todo? Quantos anos você tem exatamente? Sua vida não reflete no brilho dos seus olhos.  Por que tudo em você parece artificial, no entanto, é só olhar para as partes que em você são evidentemente verdadeiras para notar que existe algo de errado.
Nos seus olhos não existe o brilho da jovialidade, nos seus atos não existe o impulso desejoso ao novo. Nas suas palavras não existem a arrogância patética e sem nenhum fundamento que tanto ilustra os jovens. No seus medos não existem perigos. E nas suas preocupações não existe um vestígio sequer de perspectiva.
Por que garota, por que? Por que tantas vezes você insiste em tomar esse ar sensato tão enfadonho? Por que você insiste em desprezar a jovialidade que existe em você? Por que seus sonhos morreram se nas suas veias ainda pulsa um sangue tão vivaz!
Pare um pouco, tenha um pouco mais de perspectiva para com você mesma, por que os livros que você escreve não são sua vida e os seus personagens não são e jamais poderão ser você!
Por que? Por que sente mais prazer em criar um personagem a ser você mesma? Por que vive em inércia e por que seus sentimentos são tão voluntários?!
Por que sente medo de ficar sozinha… Por que isso é o que mais dói. Estando sozinha não tem controle da insanidade, com pessoas por perto, ao menos você tem algo no que pensar.
Não seja tão formal, você não precisa disso. Deseje mais! Por que você não deseja?! Anseie mais, por que você não busca a nada?! Relembre mais! Por que nada mais para você faz diferença?! Generalize menos! Por que acredita que tudo é sempre igual?!”

“Todas as flores são cheirosas e todas elas murcham no final. Não quero olhar para nenhuma delas novamente. Só aquela murchou mais ainda é perfumada! É o mau do século, eu jamais vou me recuperar eu preciso desse platonismo! Deixe-me, imploro-te, não questione, não quero responder! É um sentimento, é a minha alma, minha essência, algo vivo do qual não tenho domínio! Portanto, não questione-me! Eu mesma não acredito em mim quando falo com ele… Onde está a pessoa tão calculista, intolerante e cética de quem você tanto fala quando eu estou com ele?! Eu mesma gostaria de saber, mas sempre à presença dele, sou tomada. Nem mesmo com todas as palavras do mundo expresso a minha angústia nestes momentos, não há nada que eu possa fazer, nem fingir! Ele conhece meus sorrisos, conhece meus gestos. Quando estou com ele, quero correr, fugir dessa sensação, fugir das lembranças tão dolorosas pela certeza de serem apenas lembranças… mas não posso ele me toma sem fazer nada. Me toma, me encanta, rouba minha alma e me concede sentimentos que desconheço! Rouba-me, ambiciona-me sem mencionar!”

Oscar Wilde, sem dúvidas

Junho 25, 2011 § Deixe um comentário

Edgar Allan Poe em quadrinhos..

Junho 25, 2011 § 1 Comentário


Lanche para o Rei

Junho 25, 2011 § 1 Comentário

A comida favorita de Elvis era um sanduíche feito com pão de forma, pasta de amendoim e banana.

Era mais fácil do que você pensava, cozinhar para o Rei

Where Am I?

You are currently viewing the archives for Junho, 2011 at Old Consciousness.